quinta-feira, 25 de novembro de 2010

? + s2 = Fé

Oi gente...
Ontem tive que entregar um trabalho de Apologética. A simples tarefa dessa avaliação consistia em ler e fazer um fichamento do livro “Crer Também é Pensar” de John Stott, e detalhe em apenas duas páginas. Fiquei tão empolgada com o livro que consegui fazê-lo em 13 páginas. Uhuuu... \o/
Não mencionei, mas esse trabalho teve de ser manuscrito, então eu simplesmente escrevi 9 páginas totalmente desnecessárias. Heeee... \o/ \o/
Apesar disso, enquanto lia e fazia esse fichamento, fiquei viajando nas palavras de Stott, por isso criei esse post para poder compartilhar com vocês um pouco do meu aprendizado...
Logo no primeiro capítulo o livro fala sobre o cristianismo de mente vazia.
Vivemos em uma sociedade onde a religiosidade é algo tão ligado a emoção das pessoas que muitos (na verdade, a maioria) se esquecem que crer em cristo é algo também ligado à razão.
Quer exemplo disso?
Não podemos por nós mesmos conhecer a Deus (veja Romanos 1.19). O que sabemos dele é o que Ele nos revelou. Deus se dá a conhecer de três formas:
1. Através da revelação Geral ou Natural: por exemplo, quando observamos a natureza vemos que tudo o que existe exige uma mente inteligente e soberana responsável por sua criação. Chamamos de revelação geral àquela que o homem pode conhecer Deus através das coisas por Ele criada, ou seja, ela nos dá pista que existe um Deus criador. Não são obras do acaso (prometo, em outro post falo especificamente sobre esta revelação, ok)
2. Através da revelação Oral: é a escritura. Deus se revela por meio dos profetas e os inspira a escrever suas palavras a fim de que as pessoas ao lê-la possa conhecê-Lo;
3. Através da revelação Suprema ou Especial : é a pessoa de Cristo. A natureza dá pistas de que existe Deus, a Bíblia fala especificamente de Deus, e Jesus é o próprio Deus que fez-se em carne para que possamos conhecê-Lo como Ele é.
Mas, onde entra a mente nisso tudo?
Em primeiro lugar:
“a fé, de acordo com o ensinamento de Jesus em Mateus 6.30, é basicamente o ato de pensar, e todo o problema de quem tem uma fé pequena é não pensar. A pessoa permite que as circunstâncias lhe oprimam... temos de dedicar mais tempo ao estudo das lições de nosso Senhor sobre a observação e dedução. A Bíblia está repleta de lógica, e seja algo meramente místico. Nós não nos sentamos simplesmente numa poltrona, permanecendo à espera de que coisas maravilhosas nos aconteçam. Isso não é fé cristã. A fé cristã é, em sua essência, o ato de pensar. Olhem para os pássaros, pensem neles, e façam suas deduções. Vejam os campos, vejam os lírios silvestres, considerem essas coisas...
A fé , se quiserem, pode ser definida assim: É insistir em pensar quando tudo parece estar determinado a nos oprimir e a nos pôr por terra, intelectualmente falando.
Usamos a razão para discernir aquilo que podemos ver por meio da revelação geral. Ao observarmos os pássaros, as plantas etc. vemos que Deus é o Senhor que os sustem e assim como diz o texto de Mateus, se Deus cuida deles – que são criaturas – quanto mais de nós que somos chamados seus filhos.
Em segundo lugar usamos nossa mente para interpretarmos a palavra de Deus. Isso com a ajuda do Espírito Santo é claro, mas precisamos raciocinar sobre ela. Não podemos dizer: ha eu sigo a Cristo... ou, eu acredito na bíblia... simplesmente por que alguém nos disse para isso fazer.
Dessa forma posso assemelhar ao papagaio, ele aprende algumas palavras e sentenças, mas não raciocina sobre elas.
É necessário usar nossa mente para reter o que a palavra de Deus tem a nos dizer. Pensar sobre as verdades nela descrita.
“ Deus nos constituiu como seres que pensam; Ele nos tratou como tais, comunicando-se conosco com palavras; ele nos renovou em Cristo e nos deu a mente de Cristo; e nos considerará responsáveis pelo conhecimento que temos.
Talvez se comece a ver agora o mal que é essa disposição anti-intelectualista, cultivada em alguns grupos cristãos. Não se trata de uma verdadeira devoção, absolutamente; mas sim de uma conformação a uma onda deste mundo, ou seja, trata-se de uma forma de mundanismo.
Subestimar a mente é soterrar doutrinas cristãs fundamentais. Deus nos criou seres racionais; será justo negarmos a humanidade que Ele nos deu? Deus conosco se comunicou; não procuraremos entender suas palavras? Deus renovou nossa mente por intermédio de Cristo; não faremos uso dela? Deus nos julgará por sua Palavra; não seremos prudentes, construindo nossa casa sobre essa rocha?”
Jesus disse: "Examinais as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam (João 5.39)"
Percebem como é importante ler a palavra de Deus. É através dela que conhecemos o próprio Deus.
Se olharmos para um um computador por exemplo. Seria loucura dizer que ele foi obra do acaso, certo. Mas saber que alguém o criou não nos dá pistas de quem essa pessoa é. Dessa forma, podemos olhar para a natureza e por sua beleza dizer que alguem a criou, ela não é obra do acaso, mas isso somente nos dá pistas de que Deus existe, não de quem Ele é.
Quem é Deus? Como Ele é? O que Ele faz? Quais os seus Planos? O que Ele criou? Respostas para essas e muitíssimas outras encontramos apenas em um lugar: nas Escrituras!
Portanto para conhecer Deus precisamos conhecer a palavra de Deus.
Em terceito lugar ao analisar o texto sagrado, podemos finalmente, ter acesso a revelação Suprema, que como diz no versículo citado acima, são as escrituras que testificam de Cristo.
Quem estuda um pouco a Bíblia sabe que desde Gênesis à Apocalipse o tema principal de todos os livros é Jesus Cristo, sua obra, vida e glória. (se quiserem depois posso postar algo sobre isso).
Todo esse conhecimento tem ligação direta com nossa mente. No entando a fé é algo puramente racional? Veja o Stott que diz a esse respeito:
O conhecimento deve conduzir ao amor. Quanto mais sabemos, mais devemos compartilhar do que sabemos com os outros e usar o nosso conhecimento em serviço a eles, seja na evangelização, seja no ministério. Às vezes, porém, nosso amor poderá moderar o nosso conhecimento. Pois o conhecimento em si pode ser ríspido; é-lhe necessário Ter a sensibilidade que o amor lhe pode dar. Foi isso o que Paulo quis dizer quando escreveu: “O saber ensoberbece, mas o amor edifica”.
“o conhecimento sem zelo tome o lugar do zelo sem conhecimento! O propósito de Deus inclui os dois: o zelo dirigido pelo conhecimento, e o conhecimento inflamado pelo zelo.”
“A entrega sem reflexão é fanatismo em ação, mas a reflexão sem entrega é a paralisia de toda ação”. (Dr. John Mackay)
Só a razão não é suficiente, é necessário que haja um equilíbrio entre razão e emoção. O ponto mais seguro para estarmos é o que Aristóteles chamaria de virtude, pois como dizia, "virtude é o meio termo entre dois extremos."
A virtude da fé seria assim, o meio termo entre razão e emoção.
Vou parar por aqui, pois sei que irei cansá-los – e fazer o mesmo que fiz com meu trabalho -, mas garanto que poderia ficar mais um tempo falando sobre o assunto que muito me empolga.
Certamente voltarei a comentar algo que aprendi com esse pequeno livro.
Tem muitos outros assuntos que poderei falar futuramente...
Encerro esse post deixando apenas mais algumas palavras de John Stott:
O conhecimento é indispensável à vida e ao serviço cristãos. Se não usamos a mente que Deus nos deu, condenamo-nos à superficialidade espiritual, impedido-nos de alcançar muitas das riquezas da graça de Deus. Ao mesmo tempo, o conhecimento nos é dado para ser usado, para nos levar a cultuar melhor a Deus, nos conduzir a uma fé maior, a uma santidade mais profunda, a um melhor serviço. Não é de menos conhecimento que precisamos, mas sim de mais conhecimento, desde que o apliquemos em nossa vida.
A pergunta de como tal conhecimento pode ser obtido, a melhor resposta que posso dar é com palavras de um dos sermões de Charles Simeon: “Para a obtenção e conhecimento divino, a orientação que temos é a de combinar uma dependência do Espírito de Deus com nossas próprias pesquisas. Que não nos atrevamos a separar então o que Deus uniu”. Isso quer dizer que temos de orar e temos de estudar. É como foi dito a Daniel: “Não temas, Daniel, porque desde o primeiro dia, em que aplicaste o coração a compreender e a humilhar-te perante o teu Deus, foram ouvidas as tuas orações...”
Beijos de Coração
Pris

P.S.: Eu quase falei o livro inteiro, meu Deus... mas se puderem leiam esse livro, vai valer a pena XD!

2 comentários:

Cíntia Mara disse...

Nossa, já entrou na minha lista! Pela sua empolgação e também porque o assunto me interessa muito =]

Beijos

Hubner Braz disse...

Perfect... meu TCC será nesta área.

Bjss