sábado, 18 de setembro de 2010

60 anos de manipulação.

Oi gente,

Já faz uns dias que quero escrever algo sobre o assunto.

Nada mais propício que o dia de hoje quando a TV brasileira completa seus 60 anos e de existência.

Bom, antes de qualquer coisa, quero dizer que não sou contra assistir televisão, mas sou contra a manipulação que é feita através desse meio de comunicação, e da super valorização desse aparelho.

Ontem me sentei ao lado de duas senhoras que conversavam no ônibus. Estávamos tão perto que não teve como deixar de ouvir a conversa. Elas diziam que estavam “DESESPERADAS”, isso mesmo, DE-SES-PE-RA-DAS, porque já há alguns dias, a polícia federal fechou um plano de assinatura de canais que estava ilegal na cidade. Como grande parte da população era assinante deste plano, assim, muitos estão agora sem poder ver os seus tão preciosos programas e novelas.

Voltando àquelas duas senhoras, fiquei um tanto intrigada em como prosseguia aquela prosa. Uma disse que antes, quando tinha TV funcionando em casa, saia do trabalho exatamente às 5 horas e corria para chegar a tempo de ver a novela.

A outra em um tom deprimente, falava de sua frustração por não ter mais seu passatempo preferido de todas as noites.

Ambas se juntaram em um lamento, por não poderem mais assistir televisão.

Fiquei imaginando...

Será que só tem a TV na casa dessas pessoas?

E suas famílias? Não tem mais aquele papo entre os pais e filhos?

Mesmo que uma pessoa more sozinha, será que não poderia passar seu tempo em uma agradável leitura ou ouvindo música, o que seria um programa muito mais construtivo?

Lembro que quando era criança, minha mãe decidiu fazer um propósito, de ficarmos uma semana inteirinha sem assistir televisão.

Como naquela época a gente ainda não tinha internet. Tivemos que arrumar o melhor jeito para apressar a hora até o momento de dormir.

Nos dois primeiros dias vivemos um filme de terror. Eu ficava contando os passos do relógio. Olhava pela janela e via os vagalumes brilhando no ar, e ouvia os grilos em sua serenata habitual. Era um tédio que só. Queria que a hora de dormir chegasse logo, para no dia seguinte, ter algo pra fazer na escola.

Mas toda essa monotonia acabou, quando minha mãe decidiu fazer coisas em família. A principio, pensei que ia ser muito chato. Mas depois esses se tornaram momentos de muita felicidade que os guardo comigo até hoje. Ouvíamos música, e dançávamos ao som de Elvis Presley (de quem minha mãe é fã e de onde me saiu o nome). Foi algo muito divertido. Não só fizemos isso, mas passamos a jantar em família, todos reunidos em volta da mesa.

Outra coisa que marcou muito, foi a leitura de “O CASO DA BORBOLETA ATÍRIA” que se tornou a nossa novela diária. Eu e meu irmão deitávamos com a cabeça, cada um para um lado, no colo de minha mãe, e ficávamos viajando no mistério da borboletinha de asa quebrada.

Mas o momento mais especial de todos, foi quando nos reuníamos para ler a Bíblia, o que fizemos todos os dias, e depois orávamos juntos antes de dormir.

Quando acabou aquela semana, queríamos que ela continuasse por mais tempo, mas infelizmente, foi só ligar a TV que tudo perdeu o seu encanto, e voltamos a nos reunir apenas em volta da televisão.

Se eu pudesse voltar naqueles dias, não ligaria mais, pois iria aproveitar ao máximo a companhia de meus pais e irmão naqueles agradáveis momentos.

Hoje a TV brasileira completa seus 60 anos. E o que podemos comemorar com isso?

Será que podemos comemorar o fato de que crianças são educadas por ela? Parabéns então dona televisão, pois tem feito um ótimo trabalho. As crianças estão ficando violentas e com estímulos sexuais precoces assim como você as tem ensinado.

Ou poderíamos comemorar o fato de que é a televisão que diz como devemos ou não nos vestir. Obrigada TV brasileira, pois agora sei como ser aceita na minha sociedade consumista e hipócrita. Basta eu me vestir igualzinha àquelas meninas de comportamento imoral que aparecem na sua telinha. Pra ser aceita, eu não preciso gastar 4 anos de minha preciosa vida em uma faculdade ou me esforçar em ter uma vida digna e ética. É só botar uma roupa da “moda” que terei muitos “amigos”.

Acho que poderíamos comemorar também a existência de um número recorde de divórcios no Brasil. Muitas pesquisas atribuem esse fato à influência desse meio de comunicação.

Além disso, pra que jantar em família? Porque eu devo gastar tempo conversando com os que moram comigo? Eu tenho uma televisão. Isso não basta?

Vamos abrir os olhos! Estamos permitindo que um aparelho seja o líder de nossa casa?

Que o Senhor Jesus possa estar no centro de nossa família, e não um aparelho de televisão que se aproveita da miséria alheia para ganhar a vida.

Como disse no início, não sou contra assistir televisão, mas penso que devemos selecionar o que assistimos, a fim de não tornarmo-nos mais um fantoche nas mãos de manipuladores e falsos que tenta nos enganar.

Termino esse texto deixando três vídeos que gostaria que você prestasse bastante atenção.

O primeiro é um trecho do documentário, A HISTÓRIA DAS COISAS, que mostra o cotidiano dos americanos, e atrevo-me a dizer que também é o de muitos brasileiros, e sua relação com a televisão.

O segundo é uma opinião de John Piper a respeito do tema.

E o terceiro é a música de uma banda resgate " A HORA DO BRASIL", que mostra como os meios de comunicação em massa se aproveitam da desgraça alheia para poder “ganhar a vida”, esta música não fala diretamente sobre a televisão, mas mostra o papel daqueles que estão por trás dela.

Espero que gostem!

Beijos de coração

Pris









3 comentários:

Yullia Marizia disse...

Olá, achei teu blog numa comunidade do orkut. Parabéns por ele.

Seria cômico se não fosse triste o caso dessas duas senhoras. Como será a família delas? Todo mundo junto numa mesma casa cada um com seu programa favorito? O pior, é que a maioria dos programas de "sucesso" são só porcaria. Não digo que não exista os que tenha alguma utilidade, mas em geral são só passatempos e programas que nos fazem ficar embasbacados sonhando com uma vida de princesa.

Beijão
To te seguindo, sinta-se livre pra me seguir tb, hehe

Rico Cheng disse...

GREAT! EXCELENTE! POR INCRÍVEL QUE PAREÇA, ONTEM NO PLANTÃO DO MEU TRABALHO, ESTAVA ESCREVENDO MAIS UM TEXTO SOBRE A INFLUÊNCIA DA TV SOBRE AS PESSOAS. E QUANDO VISITO HOJE O TEU BLOG, UM TEXTO SEU SEMELHANTE. QUE ÓTIMA COINCIDÊNCIA PRI. GOSTEI BASTANTE DO TEU TEXTO.
VC ESCREVE DIVINAMENTE BEM.
VALEU POR COLOCAR OS LINKS DOS MEUS BLOGS NO SEU.

JESUS CHRIST IS THE ROCK(JESUS CRISTO É A ROCHA)

Eliseu Antonio Gomes disse...

Priscila.

O meio para conquistar uma vida feliz é ser uma pessoa moderada. Na moderação encontramos o equilíbro necessário para se manter em pé.

A pessoa sem moderação é sempre muito exagerada para mais ou para menos, mergulha de corpo inteiro ou se ausenta completamente de coisas e atitudes. Tudo é "plus" ou "over".

As Escrituras Sagradas nos recomendam vivem em moderação, sem fanatismos.

Quanto a televisão, sejamos telespectadores ponderados e criticos. Ver sem se deixar prender por ela é o segredo para continuar no âmbito da normalidade.

Hoje em dia algumas emissoras tentam manipular a opinião pública. Acredito que o efeito dessa tentativa de manipulação já não é mais o mesmo. Estamos na era digital, quando todos os canais são postos no mesmo nível quanto à qualidade de som e imagem. Então, os televisores são mais seletivos e dispersos. A Rede Globo cai vertiginosamente nos índices de audiência há anos, e nos últimos meses, em alguns domingos, ela perde nos domingos para a Rede Record em algumas praças do Brasil, inclusive na crioca.

Fora a rivalidade entre os canais, existe a concorrência da Internet. Ela se expande em sucessos audiovisuais como o site YouTube, por exemplo.

Abraço.

E.A.G.
http://belverede.blogspot.com/